Você acha ou tem certeza?
04/06/2012
Ganância e desrespeito com o consumidor.
02/07/2012

Montar o próprio negócio.

18/06/2012

Pense no porque está pensando. Montar o próprio negócio parece mais fácil do que se pensa, porém pode ser um verdadeiro pesadelo no decorrer do processo.

 

Ter o próprio negócio, parar de trabalhar para outros e conseguir viver com uma jornada menos exaustiva é o bom sonho de muitos brasileiros. Porém a realidade mercadológica pode ser diferente dos sonhos, das vontades ou dos ideais de vida; ela estará diretamente ligada às demandas de mercado e as necessidades de consumo. Pode até ser um pesadelo para muitos.

 

Com isso, é indispensável e necessário, antes de tudo pesquisar, planejar e projetar os resultados reais. Existe uma forte tendência dos empreendedores enxergarem aquilo que lhes é conveniente; é nessa hora em que todo cuidado é pouco. No investimento inicial, o valor monetário deve estar disponível o tempo que for necessário para que retorne como lucro. Em função do tempo de crescimento do negócio, ele pode demorar até três anos para retornar como lucro real. Se a visão estiver alinhada ao mercado consumidor, o retorno do investimento pode começar com até seis meses.

 

Ao pensar em montar um negócio, deve-se priorizar o valor investido e ter muito, muito cuidado com dinheiro emprestado. O Sebrae por exemplo, é um órgão que geralmente motiva o empreendedor a adquirir empréstimos bancários em função das parcerias que mantêm com os bancos. Se você tem um capital próprio, invista no seu negócio e comece devagar, vá administrando o pouco e faça o seu negócio crescer. Com o tempo você terá condição de melhorar.

 

Fazer algo que gosta, trabalhar da forma que quer, pode não resultar no esperado. Todo negócio que prospera, deve ter alguns aspectos primordiais – o produto/serviço deve estar ligado diretamente à necessidade do consumidor, na hora, no lugar e da forma que ele pode ter acesso, com o preço que pode pagar. O negócio na verdade é do consumidor, pois ele é o dono do dinheiro. O empreendedor é aquele que administra, está disposto a atender as necessidades de consumo, servir e ganhar por isso.

 

A pesquisa de mercado é fundamental para detectar se sua idéia de negócio é realmente boa, se está dentro das necessidades de consumo do mercado. Será próspera se também estiver disponível para o público certo, com o preço e no lugar certo; e promovido da forma certa.

 

O plano de marketing é o segundo passo, nele você transforma dados, informações, potenciais, desejos, disponibilidades em processos de gestão; planeja e projeta o que fazer, os caminhos a seguir, todo o trabalho, forças, fraquezas, oportunidades, ameaças, cronogramas, gastos, lucros  etc.

 

Geralmente os empreendedores querem comodidade ao trocar o emprego pelo negócio próprio, mas isso não basta; comodidade fora da realidade do mercado não proporciona lucro e, sem lucro, não há negócio duradouro; assim o prejuízo é quase sempre inevitável. Alinhar o desejo de entrar num segmento com comodidade à realidade do mercado, pode não ser possível; se assim for, a solução será criar uma nova tendência de consumo.

 

O capital investido para a criação de uma nova tendência de consumo é superior à de um negócio em que seu segmento já existe demanda. Por isso, muitas vezes, é melhor tentar adequar as vontades pessoais à profissional e as duas ao consumidor. Ter boas idéias não é um diferencial competitivo. Talento não é tudo. O empreendedor precisa ser profissional, saber pensar e agir de forma imparcial à sua vida pessoal; tomar decisões com base na realidade do consumidor e no segmento de mercado que quer atingir.

 

Profissional não é o diplomado no segmento, é o que não leva as coisas para o lado pessoal. Ele trata das relações de consumo de forma imparcial aos seus pensamentos, emoções e sentimentos; serve o cliente por amor ao que está se propondo e não apenas em troca de dinheiro. Pensa e age em conformidade com a realidade do mercado e a necessidade do consumidor.

 

Por essas e outras razões, não apenas pense em montar um negócio, mas pense no porque está pensando e invista seu tempo no planejamento; ele é a base da sua tomada de decisão. Sonhe, pesquise, planeje e depois decida.  Quem se prepara hoje não faz reparos amanhã.

 

Paulo Eduardo Dubiel

Executivo em Gestão de Marketing e Negócios, Esp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *