Trilha ecológica na Ilha do Vigia Cabo Frio

25/04/2016

A natureza Atlântica que enriquece nosso litoral precisa ser vista como patrimônio da humanidade.

Ilha-do-Vigia
Foto: meioambienterio.com  

Por Olheinfo – Criar trilhas ecológicas e plantar árvores são ações isoladas, carinhosas; porém que muitas vezes resulta no inverso do precedente – o cidadão cuida, apresenta e logo que a região ganha repercussão turística, a especulação toma conta. O turismo ecológico necessita de sustentação e controle. É lamentável que o Ministério do Meio Ambiente, Ministério do Turismo e demais órgãos responsáveis esteja tratando de uma riqueza imensurável para o futuro com tamanho desleixo.

 

O que o governo não faz o cidadão assume. Há pessoas que amam suas regiões e reconhecem a importância de manter o meio ambiente para viverem com qualidade de vida. São essas que preservam o futuro da Nação brasileira.

 

Devastada por um incêndio criminoso no ano passado, a Ilha do Vigia, no Parque Estadual da Costa do Sol (PECS), entre as praias das Conchas e do Peró, em Cabo Frio, começou a ser reflorestado. A ação marcou o quinto aniversário do PECS, que envolveu seis municípios da Região dos Lagos, de Saquarema a Búzios. Foram plantadas mais de 50 mudas de espécies típicas do litoral doadas pelo Horto de São Pedro da Aldeia.

 

Participaram da ação guarda-parques do Instituto Estadual do Ambiente, agentes da Secretaria municipal de Meio Ambiente e voluntários de várias entidades, entre elas dos Amigos do Peró e Associação do Pontal do Peró. Foram plantadas mudas de pitanga, aroeira, ipês, clusias e outras espécies:

 

— Outras ações como esta vão acontecer para reflorestar toda a ilha. Quem não pôde comparecer no plantio pode colaborar levando água para regar as plantas no feriadão. O solo é muito árido, mas a visão lá do alto da ilha é fantástica – disse o ambientalista Paulo Bayer, que também plantou clusias em meio ao jardim de ipomeas criado pelo portal Ondas do Peró na areia da praia.

 

Do alto da ilha é possível ver tartarugas no mar de águas cristalinas, costões rochosos, praias isoladas e um visual completo de Conchas e Peró, que têm cerca de sete quilômetros de extensão com águas livres da poluição.

 

— Assim que o Plano de Manejo do PECS ficar pronto o local será aberto para visitas guiadas coordenadas pelo Inea. Será um excelente produto de turístico ecológico para Cabo Frio – disse Luane Ferreira, superintendente de Turismo, que participou do plantio na Ilha do Vigia.

Paulo Bayer explicou o motivo do nome da ilha:

— No passado, foi montada ali um ponto de observação para vigiar os piratas que vinham ao Peró pegar nosso pau-brasil. Por isso que a ilha, que é ligada ao continente por uma faixa de areia, é chamada de Vigia – concluiu.



Fonte:
meioambienterio.com